Logo Escolas Médicas

Notícias

Os novos cursos da USP -- As justificativas para a universidade expandir sua oferta acadêmica mesmo em tempos de crise

09/07/2017 21:56:57

As justificativas para a universidade expandir sua oferta acadêmica mesmo em tempos de crise

 

O Estado de S.Paulo

09 Julho 2017 | 03h00

Na mesma semana em que anunciou a adoção do sistema de cotas para o próximo vestibular, o Conselho Universitário (CO) da USP aprovou a abertura de dois novos cursos: um de medicina, em Bauru, e outro de biotecnologia, no campus da zona leste, em São Paulo. Eles começarão a funcionar em 2018 e sua criação causou surpresa, já que a instituição está enfrentando graves dificuldades financeiras. Desde 2014, ela já adotou dois programas de demissão voluntária, que resultaram no afastamento de 3,5 mil funcionários. Também adiou a contratação de professores e não corrigiu os salários neste ano. Em 2016, a USP teve um déficit de R$ 660 milhões.

 

A justificativa para a abertura de dois novos cursos num período de falta de recursos foi de que eles resolverão dois problemas. O curso de biotecnologia, que será oferecido pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), foi pensado para substituir o atual curso de ciências da natureza no período matutino, que tem um grande número de vagas ociosas, por falta de demanda. Segundo a EACH, o novo curso não acarretará gastos, pois não exigirá mudanças estruturais na USP Leste nem contratação de servidores.

 

O problema mais complicado envolve a criação do curso de medicina em Bauru, que será vinculado à Faculdade de Odontologia (FOB). Ele será o terceiro oferecido pela USP. Os outros dois são os de São Paulo e Ribeirão Preto. Segundo a FOB, o campus de Bauru é o único que, nas duas últimas décadas, não ampliou o número de cursos e de vagas. Também alega que a abertura do curso de medicina foi a solução encontrada para manter o Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, situado nesse campus, e que atende 70 mil pacientes por ano. Como a manutenção é cara, a direção da FOB conseguiu que a responsabilidade por sua gestão – e, portanto, por suas despesas de custeio – fosse transferida da USP para a Secretaria Estadual da Saúde. Em troca, a FOB comprometeu-se – com forte apoio das lideranças políticas locais – a pedir ao CO a criação de um curso de medicina na cidade.

 

A decisão do órgão colegiado, contudo, não foi pacífica. De seus 97 integrantes, 18 votaram contra a criação desse curso. Segundo eles, como esse hospital terá de seguir as regras do Sistema Único de Saúde (SUS), cujos repasses estão defasados, ele não tem condição de ser financeiramente sustentável nem de manter a atual qualidade de atendimento. Alguns conselheiros reclamaram que a decisão foi mais política do que técnica. Outros defenderam que os recursos deveriam ser investidos no Hospital Universitário, situado no campus da Cidade Universitária, cujo pronto-socorro está atendendo apenas a emergências, por causa da crise financeira da USP, encaminhando os casos de menor gravidade para postos de saúde municipais e estaduais. Muitos dos professores que votaram a favor da criação do curso de medicina em Bauru condicionaram seu voto ao cumprimento do acordo que transfere para a Secretaria Estadual da Saúde a responsabilidade pela manutenção do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais.

 

O que justifica essa atitude prudente é o receio de que possa se repetir, no campus de Bauru, o que já ocorreu com acordos semelhantes. Quando a Faculdade de Engenharia Química de Lorena foi incorporada à USP, em 2006, o governador Geraldo Alckmin prometeu aumentar o repasse financeiro para a universidade, mas não cumpriu a promessa. Quando a Unicamp criou o campus de Limeira, foi prometido um aumento nos repasses à instituição, o que também não aconteceu.

 

Com a criação de um novo curso de medicina – cujos gastos de custeio são altos – num período de escassez de recursos, a USP parece ter cedido a pressões das lideranças políticas, em troca da promessa da Secretaria Estadual da Saúde – cujo titular é apontado como um dos candidatos de Alckmin à sua sucessão – de resolver os problemas financeiros do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais.

O Estado de S.Paulo

09 Julho 2017 | 03h00

Na mesma semana em que anunciou a adoção do sistema de cotas para o próximo vestibular, o Conselho Universitário (CO) da USP aprovou a abertura de dois novos cursos: um de medicina, em Bauru, e outro de biotecnologia, no campus da zona leste, em São Paulo. Eles começarão a funcionar em 2018 e sua criação causou surpresa, já que a instituição está enfrentando graves dificuldades financeiras. Desde 2014, ela já adotou dois programas de demissão voluntária, que resultaram no afastamento de 3,5 mil funcionários. Também adiou a contratação de professores e não corrigiu os salários neste ano. Em 2016, a USP teve um déficit de R$ 660 milhões.

 

A justificativa para a abertura de dois novos cursos num período de falta de recursos foi de que eles resolverão dois problemas. O curso de biotecnologia, que será oferecido pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), foi pensado para substituir o atual curso de ciências da natureza no período matutino, que tem um grande número de vagas ociosas, por falta de demanda. Segundo a EACH, o novo curso não acarretará gastos, pois não exigirá mudanças estruturais na USP Leste nem contratação de servidores.

 

O problema mais complicado envolve a criação do curso de medicina em Bauru, que será vinculado à Faculdade de Odontologia (FOB). Ele será o terceiro oferecido pela USP. Os outros dois são os de São Paulo e Ribeirão Preto. Segundo a FOB, o campus de Bauru é o único que, nas duas últimas décadas, não ampliou o número de cursos e de vagas. Também alega que a abertura do curso de medicina foi a solução encontrada para manter o Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, situado nesse campus, e que atende 70 mil pacientes por ano. Como a manutenção é cara, a direção da FOB conseguiu que a responsabilidade por sua gestão – e, portanto, por suas despesas de custeio – fosse transferida da USP para a Secretaria Estadual da Saúde. Em troca, a FOB comprometeu-se – com forte apoio das lideranças políticas locais – a pedir ao CO a criação de um curso de medicina na cidade.

 

A decisão do órgão colegiado, contudo, não foi pacífica. De seus 97 integrantes, 18 votaram contra a criação desse curso. Segundo eles, como esse hospital terá de seguir as regras do Sistema Único de Saúde (SUS), cujos repasses estão defasados, ele não tem condição de ser financeiramente sustentável nem de manter a atual qualidade de atendimento. Alguns conselheiros reclamaram que a decisão foi mais política do que técnica. Outros defenderam que os recursos deveriam ser investidos no Hospital Universitário, situado no campus da Cidade Universitária, cujo pronto-socorro está atendendo apenas a emergências, por causa da crise financeira da USP, encaminhando os casos de menor gravidade para postos de saúde municipais e estaduais. Muitos dos professores que votaram a favor da criação do curso de medicina em Bauru condicionaram seu voto ao cumprimento do acordo que transfere para a Secretaria Estadual da Saúde a responsabilidade pela manutenção do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais.

 

O que justifica essa atitude prudente é o receio de que possa se repetir, no campus de Bauru, o que já ocorreu com acordos semelhantes. Quando a Faculdade de Engenharia Química de Lorena foi incorporada à USP, em 2006, o governador Geraldo Alckmin prometeu aumentar o repasse financeiro para a universidade, mas não cumpriu a promessa. Quando a Unicamp criou o campus de Limeira, foi prometido um aumento nos repasses à instituição, o que também não aconteceu.

 

Com a criação de um novo curso de medicina – cujos gastos de custeio são altos – num período de escassez de recursos, a USP parece ter cedido a pressões das lideranças políticas, em troca da promessa da Secretaria Estadual da Saúde – cujo titular é apontado como um dos candidatos de Alckmin à sua sucessão – de resolver os problemas financeiros do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais.

Fonte: Estadao

enviar para amigo >>  
compartilhe >>
voltar

deixe sua opinião

Médicos, Residentes, Professores, Coordenadores de Escolas Médicas

clique aqui

Estudantes,
Acadêmicos de Medicina

clique aqui

NEWSLETTER

Nome:
Email:

EscolasMedicas.com.br © 2010

Logo Hidea