Logo Escolas Médicas

Ensino Médico em Portugal

PORTUGAL: Medicina: alunos vão mesmo a exame

13/08/2008 14:29:28

Medicina: alunos vão mesmo a exame

Coimbra: alunos boicotaram prova em Julho. Faculdade de Medicina remarcou exame para Setembro. Comissão representante afirma que esta não era a solução de que estavam à espera

Por: Redacção
Adicionar ao DiggAdicionar ao GoogleAdicionar ao YahooAdicionar ao TechnoratiAdicionar ao StumbleUpon

  • Médico

/*pub:234x60-Especifico*/ $('#halfbanner2').banner({ path:'Site=ioldiario&PagePos=4&adsize=234x60&type=0234x0060-0001' })
A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) marcou para Setembro o exame final do 6º ano, que os alunos boicotaram em Julho, solução que não agrada totalmente aos estudantes, refere a agência Lusa.

«Recebi hoje a informação da Faculdade, terei de contactar os meus colegas antes de qualquer reacção, mas não era exactamente o que estávamos à espera», disse Fernando Correia, presidente da comissão de representantes dos alunos do 6º Ano de Medicina.

O vice-presidente do conselho directivo da FMUC, Manuel Santos Rosa, disse que a solução encontrada pelos órgãos da Faculdade foi marcar nova data do exame, na primeira quinzena de Setembro, reduzindo o seu peso na nota final do 6º Ano.

Os cerca de 230 alunos afectados têm agora de se submeter ao exame final de 6ª Ano a 09 (1ª fase) ou 16 (2ª fase) de Setembro. O peso do exame para a nota final do 6º Ano passa de 30 para 15 por cento, acrescentou Santos Rosa.

Estudantes consideram a prova «redundante, excessiva e desnecessária»

«As soluções encontradas são bastante razoáveis. Atendendo a que o exame de acesso ao internato (médico) será em Novembro, foi feito um acerto do exame final do 6º Ano para Setembro, o mais cedo possível, de forma a não colidir com a outra prova», afirmou o responsável.

Os estudantes boicotaram dois exames em Julho, um deles a prova final do 6º Ano, exigindo a abolição da mesma, por considerarem-na «redundante, excessiva e desnecessária» num ano de cariz eminentemente prático.

Na altura, os finalistas manifestaram-se conscientes de que a não realização do exame final podia impedir a sua participação no exame geral, em Novembro, que dá acesso ao internato médico de especialidade.

Novo curso de Medicina

O representante dos estudantes explicou, então, que um aluno que não faça o exame final do 6ª Ano fica com a «nota bloqueada», ou seja, fica na prática impedido de realizar o exame de acesso ao internato médico. «A não ser que haja uma passagem administrativa dos alunos, por decisão dos órgãos da Faculdade», admitiu.

«Para o conselho directivo, esta era uma situação que se achava que devia ser resolvida calmamente, dentro da Faculdade, e que, com bom diálogo com os alunos, seria completamente ultrapassada», disse.

Fernando Correia admite ter havido conversações dos alunos com os órgãos de gestão da Faculdade, mas sustenta que os estudantes «não estavam à espera de ter um exame em Setembro».

Fonte: Sapo.pt

enviar para amigo >>  
compartilhe >>
voltar

deixe sua opinião

Médicos, Residentes, Professores, Coordenadores de Escolas Médicas

clique aqui

Estudantes,
Acadêmicos de Medicina

clique aqui

NEWSLETTER

Nome:
Email:
Banner Banner

EscolasMedicas.com.br © 2010

Logo Hidea