Escolas Médicas do Brasil

Medicina na dose certa - por Viriato Moura

 13/07/2011

MEDICINA NA DOSE CERTA

Dr. Viriato Moura

Desde os tempos hipocráticos que se concebe a medicina como ciência e arte.  Ciência, do latim scientia, significa o ramo de conhecimento sistematizado como campo de estudo ou observação e classificação dos fatos atinentes a um determinado grupo de fenômenos e formulação das leis gerais que os regem. Arte, no sentido da arte de curar a que se atém a medicina, envolve sensibilidade para perscrutar além da sistematização da ciência, que cobra lógica, mas que pede habilidades, talentos humanísticos capazes de visitar e identificar detalhes nos recônditos de um ser humano que sofre.

Há profissionais com acuidade científica, porém míopes para as percepções que só a arte médica pode visualizar e aferir. Outros há que se utilizam de muita arte, porém pouca ciência. Ambos incompletos, limitados para o exercício da medicina, que não abre mão do equilíbrio, da dose certa de aliar boa ciência e boa arte.

O domínio da ciência sobre a arte de curar tende a fazer do médico um cético  caçador de sinais e sintomas clínicos que busca o diagnóstico através de uma lógica linear, por vezes reducionista. Lógica que em ocasiões ousa subestimar o que de mais humano o ser humano tem: seus sentimentos em relação à sua existência, em relação à vida.

Por outro lado, a predominância da arte sobre a ciência pode afastar a medicina de seu compromisso com a cientificidade dos fenômenos biológicos e a lança num campo inseguro, minado pelo empirismo que a desqualifica como a ciência que fundamentalmente é.

É preciso, portanto, não confundir arte médica com devaneios baseados em crendices, mitificações, deduções carentes de respostas; enfim, tentativas irresponsáveis, portanto perigosas, que apenas expõem a ignorância do médico carente em ciência, mas hábil para confundir com verbalizações ou encenações próprios de exploradores da credulidade. A arte médica serve, principalmente, para estabelecer laços empáticos entre o médico e seu paciente. A arte médica faz com que o enfermo se sinta gente. Daí agir como um catalisador da medicina ciência.

A medicina enquanto ciência que é exige que aquele que a pratique domine o conhecimento da forma, da fisiologia, da fisiopatologia e dos fenômenos químicos e físicos dos seres que trata no âmbito das células que o compõem. Porque é na célula, a unidade da vida, que os fenômenos normais e patológicos acontecem. É sobre elas que os agentes causadores das enfermidades, dos danos de qualquer ordem e das terapêuticas incidem e se expandem pelos tecidos que formam para provocar resultados. A percepção, portanto, precisa ser microscópica. Somente através dela é que podemos enxergar plenamente a medicina científica. À medida que nos afastamos dessa ótica, o olhar se torna macro, e nos distanciamos do domínio efetivo da medicina como ciência.

Encontrar a dose certa da arte e da ciência médicas é uma busca continuada do médico de verdade. Enquanto as qualidades intuitivas e a capacidade para perceber além do que a semiologia e os exames complementares mostram − atributos indispensáveis para exercer a medicina com arte −  são talentos que deveriam ser natos do um médico, a medicina ciência exige muito estudo atento e continuado durante toda a vida profissional do médico.

 
 

*Médico especialista em ortopedia, traumatologia, medicina do esporte e medicina do trabalho, Diretor-presidente do Complexo Hospitalar Central, Presidente da Academia de Medicina de Rondônia, Membro da Academia de Letras de Rondônia, jornalista DRT-RO 1067 e Presidente da Regional de Rondônia da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores. Apresenta aos domingos (das 12 às 13 horas) o programa Viva Porto Velho na RedeTV! Rondônia e é colaborador do Portal Gente de Opinião.  Contato através do E-mail: viriatomoura@globo.com


TAGS