Escolas Médicas do Brasil

Provedor da Santa Casa proíbe UGF de utilizar seu hospital como área de ensino do curso de Medicina

 20/03/2012

 

Os médicos/professores da Universidade Gama Filho que exercem a docência nas unidades da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro estão comemorando uma importante vitória. Em assembleia realizada no dia 19/3, o Provedor da irmandade, Dr. Dahas Zarur, assinou uma resolução interna acatando a solicitação feita pelos docentes de proibir a utilização das unidades de saúde da instituição como área de ensino da UGF. A medida entra em vigor nesta 3ª feira, dia 20/3. As aulas práticas dos alunos da UGF já estavam suspensas desde o dia 1º/3, quando os profissionais decidiram parar em defesa da manutenção do convênio entre as duas instituições e em protesto às demissões em massa e ao não pagamento de salários e direitos trabalhistas por parte da universidade e pelo Grupo Galileo, seu gestor. Diante da constatação de que alguns profissionais extra quadro estavam ministrando aulas, contrariando as decisões tomadas pela categoria, os docentes decidiram solicitar a intervenção da provedoria.

"O que não pode é a Universidade Gama Filho continuar a colocar alunos na Santa Casa tendo deixado de pagar o convênio desde novembro do ano passado e não tendo reintegrado os profissionais que demitiu, contrariando uma decisão da justiça", destacou o Dr. Jorge Luiz do Amaral, professor da UGF e diretor do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed/RJ). A assembleia desta 2ª feira contou com a participação do Dr. Jorge Darze, Presidente do SinMed, Professor Marcos Moraes, Presidente da Academia Nacional de Medicina, Dr. Sylvio Capanema, Desembargador e Mordomo da Santa Casa, Professor Sérgio Novis, Dra. Erika Monteiro Reis, Conselheira do Cremerj, Dr. Jorge Amara, Professor Wanderley Quêdo, Presidente do Sinpro-RJ e do Dr. Zarur.

O Vereador Carlos Eduardo (PSB), atendendo à solicitação do SinMed, telefonou para o Prefeito Eduardo Paes a quem solicitou o agendamento de audiência para falar sobre a situação da UGF e a abertura irregular do Hospital da Barra como hospital escola da instituição. O parlamentar assumiu o compromisso de realizar, após o encontro com o prefeito, uma audiência pública na Câmara Municipal para discutir o tema, com a presença do Secretário Municipal de Saúde, Hans Dohmann, e de representantes do Cremerj.

O assunto foi discutido em audiência pública realizada, no último dia 14/3, na Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Os parlamentares membros da comissão anunciaram que vão oferecer denúncia ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público do Trabalho sobre o desrespeito que tem sido cometido pelo grupo Galileo e pela UGF. O Deputado Paulo Ramos (PDT) já colheu 30 assinaturas em requerimento que solicita a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Alerj para investigar as universidades particulares.


TAGS